Seja bem-vindo. Hoje é

31 de jan de 2010

SONETO DA DESPEDIDA



Foi necessário que chovesse tanto
para que tanto mais o sol voltasse
a refletir a luz que a dor do pranto
inundou de penumbra minha face.

Foi-me defeso ressentir do quanto
sob a cinza do amor em desenlace
ainda me encantaria o desencanto
se esse rio de mágoa não secasse.

Não refaças o curso dos meus rios
nem acenes ‘adeus’ para os navios
de sonhos idos do meu velho cais.

Não levo nada... Só a necessidade
que ainda tenho de sentir saudade
dos teus momentos lívidos de paz.

Afonso Estebanez

2 comentários:

  1. Te ofereço o mimo Brasil "História Viva" com carinho.
    Leve o amigo..........Beijossssssss

    ResponderExcluir
  2. PERFEITO... CRIATIVIDADE... ENCANTO... E UM PORTUGUÊS MARAVILHOSO!!!

    ResponderExcluir

E-book