Seja bem-vindo. Hoje é

18 de fev de 2015

ENTRE OS LENÇÓIS DA LUA


Tão longo o cancioneiro do riacho
no seu destino de cantar tão vago
sob o crepúsculo no vasto abraço
da mortalha da noite sobre o lago.


Entre os lençóis da lua no terraço
jaz o tédio da alcova sem o afago
da pastora por quem é o cansaço
da solidão de tudo onde naufrago.

Separando a alegria das tristezas
atiro-me nas minhas profundezas
e vou morar na estrela da manhã.

O riacho se vai, e eu permaneço.
E no espaço de mim eu anoiteço
nessa espera infinita do amanhã.

Afonso Estebanez Stael

2 comentários:

  1. "O riacho se vai, e eu permaneço.
    E no espaço de mim eu anoiteço
    nessa espera infinita do amanhã."
    Lindo, muito bonito. Me vejo neste verso. Obrigado.

    ResponderExcluir
  2. Belíssimos versos,um mergulho nas águas do riacho de águas cristalinas e frias. Forte abraço poeta amigo.

    ResponderExcluir

E-book