Seja bem-vindo. Hoje é

23 de fev de 2011

HORIZONTE DA INFÂNCIA


Construo um navio com nuvens da infância
e meu sonho navega num céu de saudade.
O sol colhendo amoras no sítio da alvorada
um velho engenho recendente da garapa
jorrando da moenda de aroeira adocicada.

As batidas inocentes pelos clarões do céu
e as colinas de assa-peixes floreando paz.
As quaresmeiras roxas, os ipês frondosos
a sombria constância das estradas baldias
os capoeirões dos carrancudos cambarás.

O canto triste dos carros-de-boi cá dentro
do meu peito onde escuto bater a solidão
das porteiras dos apriscos de minha alma
de plantão no abismo da doce melancolia
que assiste o fazendeiro do meu coração.

Construo um navio com nuvens da infância
e meu sonho navega num céu de saudade.
Do murmúrio infantil das águas cristalinas
do crepúsculo nas calmarias do horizonte
por onde fluem os ribeirões da liberdade.

Afonso Estebanez

2 comentários:

  1. Deste lugar até eu fiquei com saudade...
    Que pelo poema!
    Meus parabéns.

    ResponderExcluir
  2. "Construo um navio com nuvens da infância
    e meu sonho navega num céu de saudade."

    Que sensibilidade,parabéns,lindo poema.
    um abraço

    ResponderExcluir

E-book