Seja bem-vindo. Hoje é

26 de mar de 2009

AUTO DAS BARCAS (CANTO III)


Agora a barca é essa grande síntese transacional de quase-ser,
do quase-ser como eu, que sou quase-feliz
porque navego solidário nesse estado de alegria patológica,
um paciente bêbado assentado no lugar cativo
da terapia coletiva dos afortunados de merda nenhuma...

Como aquelas bancárias quase-amantes
dos delicados operadores de travellers checks
cochichando aos risinhos e segredos entre si
como se fossem as mocinhas de Picasso
posando nas vitrines coloridas das ruas de Avignon...

E eles as querem tanto a todas o quanto eu quero
que o mar esteja aqui amanhã de manhã...
E se o mar não estiver aqui amanhã de manhã?
Onde estarão as gaivotas embriagadas por essa maresia,
os peixes aturdidos sob os cascos dos navios
e as canoas e os barcos dos pescadores?
E os entulhos boiando no clarão da tarde sobre o mar,
onde estarão?...


Afonso Estebanez

Nenhum comentário:

Postar um comentário

E-book